All posts filed under: Diário

Um nada bem repleto de merda

“Mas eu não fiz nada” diz a imbecil da mulher com um encolher de ombros na tentativa de um ar angelical mas onde só se denota cinismo, começo a rir-me, aquele riso nervoso que diz: “só me apetecia era dar-te um estalo no focinho”, respiro fundo e sigo em frente. No meio das afazeres penso: não fizeste nada minha grandessíssima aldrabona?! E sim interrompo os meus afazeres porque com os anos a vontade de lhe dar uma coça só aumentam, ela é daquelas pessoas que tem o dom de só aumentar os defeitos, e portanto, sei que paz de alma para além da que tenho desde que decidi cortar contacto com ela, paz de alma a 100% sei que só terei quando um dia der lhe um valente estalo, é aquela paz de quem esteve por anos a levar ensaboadelas de detergente na boca e agora só quer dar uma boa trinca num quadrado de chocolate! Eu precisava desse momento de pura luxúria e prazer, e até eu que sou manteiga derretida, um coração mole, …

Problemas por resolver

Já acabei de chorar tudo o que tinha para fazer, quem leu o post anterior entenderá, entretanto um pouco triste voltei a pegar no computador para trabalhar, mas antes, quis resolver um problema antigo e que tem surgido desde que comecei a trabalhar por conta própria: falta de concentração. E foi nesse tempo vazio a pensar no que poderia fazer que me lembrei da origem do meu problema… Á uns valentes anos atrás os problemas familiares começaram lá por casa, os meus pais discutiam sem parar, motivos todos ridículos mas havia sempre um motivo, eu era uma miúda exemplar com boas notas e que se portava super bem, mas de repente, a minha alegria de viver, as boas notas, os meus amigos, a minha vida de criança normal começou-se a desmoronar. Lê-se num dos relatórios da escola que o meu pai guardou sem dar muita importância ” a Daisy está sempre sozinha no recreio, já não brinca com as outras crianças, isola-se, parece ter medo de tudo e de todos, muito desconfiada e um tanto …

Quando um desejo fica uma vontade maior

Posso já lançar-vos a bomba, planeio sair em alguns anos de Portugal, pois é, as minhas razões são as mais variadas mas nos últimos dias ao falar com algumas pessoas, dúvidas viraram certezas e sinais de que realmente eu estou a viver no lugar errado. Não aguento mais, estou a meio de uma luta que me vai fazer muito feliz mas não aguento mais esta cultura, não aguento mais as pessoas, a falta de oportunidades e o facto de me ter sentido sempre uma alienígena por aqui. Mais uma vez tenho muitas razões pessoais que me levaram a tomar esta decisão, e neste momento já vos posso dizer que não tem volta, a decisão está tomada e estou a trabalhar nesse sentido, como é óbvio vai ser difícil mudar, vai haver um longo processo e o início será um choque, mas o que fazer quando dizes que vais sair de Portugal á procura de alguma razão para ficar, e em vez disso ainda és atacada como se fosses um monstro que cuspisse no prato onde …

Nem todos somos felizes com o mesmo

E este tópico, só de o introduzir aqui já enerva-me, já perceberam que quase tudo na vida tem relação com o facto de termos que respeitar as diferenças entre cada um de nós? E os problemas surgem quando essas diferenças não são aceites, compreendidas e pior de tudo, respeitadas, porque uma coisa é não entendermos agora o respeito pelas decisões dos outros é primordial, até porque a vida dos outros aos outros pertence. Dito isto eu tenho cá para mim os meus sonhos, sonhos meus, diferentes, só meus, nem todos o partilham, mas tive a sorte de surgir alguém na minha vida que os quer tanto como eu e de vibrar tanto como eu sempre que esses sonhos se tornam um pouco mais possíveis de ser reais. Objectivos de vida diferem, mas será que todos os temos? Será que todos temos esta motivação que nos faz levantar da cama todos os dias? Não será um pouco triste não ter sonhos e não ter projectos? Eu vivo de objectivos, não conseguiria trabalhar esta semana inteira se …

Eu devia ter percebido

Eu devia ter percebido, e sei que o titulo pode vos parecer muito em tom de autocrítica, mas não é, na altura talvez tenha reparado mas ignorado depois por um motivo muito simples, eu amo o Bruno e faço tudo para o fazer feliz, mas a questão aqui é que quando não estamos felizes não é possível fazermos a pessoa que amamos felizes também. Um dia, era dia de passagem de ano e para variar, nessa altura, eu andava sempre a contar os tostões, sempre tive ambição, sempre esteve em mim planear a minha vida e organizar-me ao máximo para alcançar os meus sonhos, umas vezes isso foi mais fácil outras mais difícil, estou a falar de uma altura particularmente difícil. Mas, nesse dia eu consegui comprar um vestido, era um vestido lindo, certo é que tinha deixado o meu orçamento mais apertado, mas eu parecia outra pessoa dentro desse vestido, sem costas preto e com alguns brilhantes ao longo dele, eu não conseguia pagar o ginásio e não conseguia treinar a algum tempo mas …

Nem para plantar batatas, quanto mais filhos!

Lá estou eu aqui para “rasgar”, realmente eu devo ser muito má como alguns dizem, tem que se ser muito má pessoa para se ficar muito chateado com as injustiças que acontecem ás pessoas de quem gostamos, há a infeliz ideia de que as pessoas boazinhas não se chateiam, aceitam tudo, isso é só ser cínico, mais nada. Há pessoas que eu nem para plantar batatas mandava pois até a fazer isso podiam-se enterrar na m*rda, quanto mais para se porem com ideias de ter filhos só porque “toda a gente tem”, porra fico mesmo chateada com isto, é preciso ter responsabilidade e condições para ter filhos, porque se não vais a um dentista é desleixo, ninguém tem nada a ver com isso, se não trabalhas e és um vagabundozito tudo bem, ninguém tem nada a ver com isso, se andas em más companhias e tens uma família problemática a responsabilidade é tua de saíres da situação, mas agora, se colocas uma criança no meio da tua vida e não tens QI suficiente nem para …

Nem todos começamos do zero

Nem todos começamos do zero e é aí que reside a grande diferença entre nós, não tem de ser, mas a maioria das vezes é. Eu estou a viver com o Bruno á 4 anos praticamente, e posso-vos dizer que eu não comecei a minha vida do zero quando comecei a viver sozinha, não, a minha vida começou quando comecei a viver com o Bruno e começamos a construir o nosso lar aos poucos e com muita paciência. Mas antes disso imaginem o que é ter apenas dinheiro para pagar as contas? Eu sei bem o que é ser solteira num país que não aceita que as pessoas possam ser felizes assim, não é agora o meu caso, mas fui muito feliz enquanto estive sozinha, não tenho a necessidade de colocar seja quem for na minha vida para poder sentir-me completa. O Bruno foi a agradável surpresa, não estava á espera mas não há um único dia em que não agradeça por ele ter aparecido na minha vida. Quando começámos a viver juntos tínhamos pouca …

E quando não podemos revidar

Pergunto-me quem é que o disse, quem é que ditou a regra, quem ditou o politicamente correto de que sempre que alguém nos ataca o certo deva ser ficar calado, ser um tanto hipócrita e sorrir? Há alturas em que francamente não me quero chatear e faço-o, mas o facto de me “proibirem” de retaliar sempre que o quiser fazer porque esse é um direito meu dá-me mais vontade de o fazer, da mesma forma como sou feminista porque os meus direitos como mulher são constantemente ameaçados, revido e dou o troco porque a primeira bala veio do outro lado e não de mim. É quase como começar uma guerra e esperar que o adversário não ataque e nós nos demos completamente por vencidos só por medo de contra-atacar. Já pensaram que talvez seja isso? Que talvez essas pessoas que tanto nos julgam por agir, por fazer alguma coisa queiram que percamos uma batalha pela qual nem se quer tivemos a coragem de enveredar, só para poderem chamar-nos de cobardes no fim e sair por …

Pessoas de bem com a vida

Parti dois dedos, queimei as costas, fiz uma cicatriz que aparece com o frio no lado esquerdo da minha anca e que com os anos foi atenuando, perdi dois anos de escola primária, passei por várias tentativas de suicídio, tantas que perdi a conta até que por fim tive idade para fugir dos meus pais e começar a minha vida do zero. A escrita fazia sentir-me incrivelmente bem, um dos homens que abusou de mim apagou o blog em titulo anonimo que tive durante quase 15 anos porque um dia deixei o computador ligado e esqueci-me completamente de fazer logout, a escrita deixava-me respirar, sempre consegui descrever muito bem como me sentia e isso dava-me paz e tranquilidade porque do outro lado do ecrã haviam sempre meia dúzia de pessoas que compreendiam a minha dor e pediam-me que eu apresentasse queixa á polícia. Nunca tive coragem de o fazer.

Estou viva

Estou viva, sinto-me viva, feliz, quase quase plena, é só adicionar á receita dos meus dias um pouco mais de disciplina, mas estou TÃO feliz que assusta, tudo tem acontecido, coisas boas, coisas que vêm do trabalho certamente com o misto de alguma sorte também. Sinto-me tão bem que estou feliz com a chegada do Outono, acreditam? É o primeiro Outono onde nada me parece triste, onde tudo são cores novas e sensações novas, e isso dá-me vontade de chorar sabem? Sinto-me como uma criança para quem tudo é novo e prometi a mim mesma que já que a vida me permitiu começar de novo, eu nunca mais iria olhar para trás 🙂 Feito!