Autor: Kary

Eu escolho viver

Doce liberdade, acordo e sorrio, estou cansada mas feliz, livre, hoje tiro da minha vida o que não posso mudar e sigo caminho sem pensar demasiado no assunto, só mais uma vez, hoje escolho, perante os factos, não odiar, escolho ignorar, tudo o que não é verdade, tudo o que vem com malícia. Odiar magoa o meu coração, entorpece a vida que existe em mim e eu escolho viver, e eu, só eu sei dentro de mim as razões tão grandes que tenho para viver. Hoje deixo que o meu coração chore, só um pouco, ás vezes é preciso, e enquanto escrevo estas palavras sinto um frio percorrer todo o meu corpo e a primeira lágrima cair, mas é uma lágrima de paz e tristeza, paz porque deixei de tentar mudar o mundo, tristeza porque sei que só o meu pequeno mundo pode conhecer estes afetos e amor que vivo todos os dias, só posso tentar trazer alegria para perto de mim, porque chorar e acumular mágoas, não muda coisa nenhuma, mas a malícia dos …

Eu era simpática, até o machismo aparecer…

Tudo começa quando pensamos nós, que no nosso direito o podemos afirmar em voz alta, sem nada contra ninguém, sem juízos de valor, apenas fazendo uso da nossa suposta credibilidade, inocentemente afirmamos: “não, eu não quero ter filhos”, completamente apanhadas de surpresa quando caem o carmo e trindade seguidos desta afirmação, lidamos com isto com estranheza, a grande maioria de nós nem tem reação porque é a primeira vez que estamos a lidar com o machismo, vamos para casa a pensar, a pensar, com a cabeça a latejar e completamente frustradas sem saber porquê, até que percebemos que acabámos de ser vítimas de discriminação. É natural que num primeiro momento não tenhamos resposta, afinal, é uma surpresa que a liberdade seja um dado tão adquirido hoje em dia quando afinal ela nem existe, percebemos nós, pelo menos a liberdade de expressão e pensamento, essa, deixem-se de merdas, não existe, e por isso é que eu gosto tanto de fazer uso dela aqui no blogue. Claro que a partir daí começamos a reflectir em um rol …

Sentir carinho por “estranhos”

Hoje senti um carinho, um afecto, uma admiração por pessoas que nunca vi na minha vida mas onde os poucos momentos em que as vi aqueceram o meu coração e deram-me esperanças de um mundo melhor, sei reconhecer emoções genuínas e aqueles sorrisos de empatia e amor eram reais, eram sinceros, coisa rara hoje em dia, senti mais afecto por aquelas pessoas que por grande parte pelas que passaram pela minha vida ao longo destes anos, e pode parecer exagero para quem vê de fora, mas não é. A empatia está em extinção, ver outros seres vivos de formas diferentes como seres vivos parece e deveria ser algo simples, mas não é para o mais comum mortal que usa a ignorância como pretexto para todo o tipo de monstruosidades, e é assim, quando vejo alguém com um coração bom, que quero que viva muitos anos, porque são estas pessoas que fazem falta, porque são estas pessoas que quero que sobrevivam a uma guerra e vivam muitos e muitos anos, porque de pessoas más já está …

O Papa pede paz durante a Páscoa

E eu continuo a perguntar-me se a religião não deveria estar nas pessoas e não em instituições que só sabem queimar o dinheiro do povo, e eu pergunto-me de que serve o Papa pedir aqui e ali, é isso que o Papa faz, pedir? Pedir podemos todos, todos queremos o final da guerra, eu não quero um Papa, desculpem, não me faz falta, quem acredita em algo não precisa de adereços ou de provas da sua existência, acredita e ponto, não precisa de Papas e catedrais envoltas em luxos e exageros ornamentais só para que se torne um sítio de culto onde as pessoas se reúnam e gastem dinheiro, porque sim desculpem, os hotéis enchem-se, os restaurantes idem, as doações não imagino, e pronto, isto é fé, é quando o Papa pede e as pessoas exclamam em tom surpreendido : oh, o Papa pediu…. Eu também quero o final da guerra, só não preciso de dirigir-me até uma Catedral para ouvir alguém pedir pelo fim da guerra, desculpem-me, sempre tive algumas reticências em relação á …

A superficialidade das pessoas

Há quem não saiba elogiar, reconhecer, sorrir e dizer: estás tão bem, bonita ou seja o que for, há quem não saiba porque nem consigo mesmo o consegue fazer. E é triste essa falta de capacidade de nos observarmos e podermos fazer uma autoanálise sincera, humilde, com os pés na terra. O problema é que a forma como nos avaliamos e observamos dita a forma como convivemos com os outros, e se não temos essa relação sincera e de respeito com quem somos, então, não o teremos com os outros, ás vezes, tudo se resume á falta de amor por si mesmo, autoestima, outras no auge do nosso ego pensamos que temos o direito a fazer uma análise a todos os que nos rodeiam sem perceber que o amor precisa de ser alimentado para não desvanecer, sem perceber que muitas vezes queremos um abraço e não uma autoanálise sobre o nosso aspecto, não queremos saber se o nosso cabelo está embaraçado ou a roupa amachucada, até porque a grande maioria sabe disso e não quer …

Inapropriada

É inapropriado sorrir para um estranho, dar as mãos na rua, abraçar, beijar, é inapropriado dar gargalhadas altas, pular de alegria ou cantarolar, é inapropriado ser diferente, sonhar, acreditar, é inapropriado ser, viver, respirar e sentir intensamente, é inapropriado desejar, ser mulher, ousar, é inapropriado mudar, contestar, perguntar, questionar, é inapropriado usar um biquini brasileiro, mostrar, sentir orgulho, beleza, é inapropriado falar num mundo onde todos se calam, é inapropriado ficar mal na fotografia, de sorriso aberto, é inapropriado crescer, trabalhar, lutar, é inapropriado sentir empatia, chorar e ver onde ninguém vê, é inapropriado ser feliz e tantas outras coisas que ninguém é, porque acham que não podem, porque é inapropriado, como se para se ser humano fosse preciso ler um manual de instruções só para nos tornarmos um pouco mais aceitáveis aos olhos dos outros.

Parabéns, agora já vivemos uma guerra.

Se acham que vivo num certo conflito com as gerações anteriores, para os mais entendidos os baby boomers sobretudo mas a geração x também, estão meio enganados, na verdade, o conflito é deles conosco, com a geração z e os millenials (nós), algumas pessoas nestes grupos geracionais mantêm a mentalidade aberta para a evolução da sociedade, a grande maioria acha que os jovens têm que viver presos em tempos que já não existem, ignorando completamente o facto de que as coisas mudaram e continuarão a mudar quer queiram quer não. Para vos dizer a verdade nem sei dizer se o maior conflito é com os baby boomers ou com a geração x, porque pensando bem, os baby boomers passaram por uma guerra, a geração x colheu os frutos “sexo, drogas e rock&roll” e acusam-nos de ser uma cambada de drogaditos sem rumo, hipocrisia?, sim claro, da mais descarada e problemática, tomam-nos por leigos, ignoram que somos mais estudados, mais responsáveis, menos dados a coisas boémias (é facto e existem estudos) bebemos menos, usamos menos drogas, …

Princesa o caraças!

A minha professora de educação moral e religiosa deu-me sem querer uma das primeiras lições que me levou ao feminismo, e lembro-me como se fosse hoje do momento em que ela deixou de sentir qualquer “encantamento” por mim, escrevo encantamento porque era essa a palavra, chamava-me de princesa a toda a hora e dizia que tinha orgulho em mim, baseado em quê não sei, talvez no facto de ser vítima de bullying e permanecer calada, talvez o de encontrar-me sempre com um olhar triste enquanto sorria sempre para as pessoas e tentava disfarçar, aceitava o elogio calada, sorria, eram poucos os elogios que recebia naquele lugar por aquela altura, por isso aceitava o elogio embora não o compreendesse. Um dia, resolvi defender-me, cansei-me de todos dizerem que me admiravam enquanto todos ignoravam o que acontecia, era como se tivesse que salvaguardar a admiração de todos e permanecer calada até que um dia ou era o bullying ou era eu, e percebi que lutar então não fazia de mim má pessoa mas que defender-me era necessário …

Falta de carácter

É nestes dias que o meu coração entra em conflito, não porque eu não saiba que estas emoções estão certas mas porque tenho em mim dois sentimentos que não combinam nem nunca deveriam estar juntos no mesmo ser humano, mas é o que tenho em mim, um amor profundo que dilacera cada pedaço de cada pequena célula que compõe o meu ser, dilacera porque junto vem um desprezo, um ódio, uma repulsa que não se conjuga com este amor, que não combina com algo tão nobre mas que vive em conflito, umas vezes mais outras menos, dentro de mim desde que sei que existo. Sempre estivemos em guerra, não me venham com merdas, as pessoas são malucas, monstruosas, e ás vezes até o que parece mais tolerante é aquele que fecha as portas de casa numa guerra e deixa o companheiro de uma vida toda para trás, á mercê do medo, totalmente indefeso e perdido, até mais do que uma criança, e deixa aquele que seria o melhor amigo de uma vida para trás com …

Hoje tive um sonho feliz

Hoje tive um sonho feliz, e o mais engraçado é que foi um sonho palpável, perfeitamente possível de ser real, sem manias de grandezas ou grandes extravagâncias, um sonho simples de liberdade, e ao sorrir e ao perceber que nesse momento a minha vida tinha mudado, pensei, porque é que eu não tive esse sonho antes. Talvez tenha alcançado agora a humildade suficiente para entender que tudo na vida tem a ver com escolhas, e que não se pode ter tudo mas com os pés no chão podemos ter o mais importante para nós, e o mais importante para mim é ser livre e ter paz. Vamos recomeçar só para que entendam bem o que me vai na alma e sei que vai na alma de muitas pessoas, tenho 33 anos, em breve farei 34, durante os últimos tempos tenho feito um checkup á minha saúde mental e estava mal até começar a mudar a minha vida, não tive a possibilidade de me formar, comecei a trabalhar desde muito cedo, sempre fui uma pessoa responsável …