Diário
Deixe um Comentário

Paz de espírito não está á venda

Estou a reencontrar-me depois desta trapalhada que foi trabalhar num lugar que me fazia infeliz. Aprendi que não vale a pena sacrificarmos quem somos mesmo que seja para ter uma boa qualidade de vida, o que ironicamente não é o caso, a minha qualidade de vida decaiu a pique, de qualquer forma não vale a pena, quer queiramos quer não com o tempo o nosso trabalho acaba por deixar-nos mais tristes, mais apáticos, mais depressivos, se esse lugar onde passamos grande parte do nosso dia for uma grande fonte de ansiedade… Mas mudando de assunto, é isso mesmo, estou a reencontrar-me, estou a reconhecer esta pessoa que não via à algum tempo e gosto. Gosto desta paz de espírito, de dormir sem preocupações, de perceber que já não tenho aquela vontade inexplicável de de repente começar a chorar com o nervosismo e a angústia. O dia seguinte já não me provoca aquela ansiedade, aquele medo, aquela sensação constante de estar a pisar em ovos para que ninguém tivesse o que fosse para me apontar… Acreditem, quando as pessoas querem não gostar de nós e não têm motivos, esses motivos são fáceis de rebuscar, mesmo que sejam falsos.
É milagroso excluir pessoas más da nossa vida, a sério, experimentem, tentem descobrir a paz que acaba por invadir os vossos dias, a sensação de que a vossa vida voltou a estar nas vossas mãos e não nas mãos de alguém que não vos conhece nem vos dá valor, porque quando alguém está nas vossas vidas e vos causa ansiedade, essa pessoa não merece ter-vos por perto, é tão simples quanto isso.
Nada pode ser trocado pela vossa paz de espírito, porque é a ausência dessa paz que vos vai sacrificar tudo o resto.

This entry was posted in: Diário

por

Um dia fiquei sem voz, fui silenciada e a minha escrita deixou de existir. O blogue que escrevia desde os 9 anos, de forma anónima, desapareceu, porque alguém de repente achou que escrever era algo totalmente inútil. Deixei que alguém me dissesse o que eu não podia ser. Anos depois, em memória ao blogue de uma vida, ás histórias que definiam como eu sou como nenhumas outras, aqui está o mesmo nome, o mesmo registo, para mostrar que eu mudei e que eu sou eu, sou o que eu quiser, o que eu sonhar, livre. As palavras são uma linda forma de expressão e nunca devemos permitir que alguém silencie a nossa voz.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s