Month: Dezembro 2021

Nem tudo são cunhas

Há quem fique terrivelmente chocado quando percebe que não é mais do que ninguém, quando pela primeira vez numa vida de falcatruas, de cunhas, de amizades por conveniência e trinta mil coisas que fizeram com que essa pessoa triunfasse na vida (de forma desonesta mas sim), quando pela primeira vez um ser humano com os direitos valorizados é de facto valorizado pelo seu trabalho há sempre um outro que viveu de cunhas que fica muito chateado e revoltado com a situação, como se estivesse em pleno direito de ficar zangado, como se a vida não fosse já injusta o suficiente o tio cunhas amua, zanga-se, grita, chora e esperneia, faz um escabeche, porque finalmente alguém que trabalha realmente, dia por dia, sem se queixar, cumprindo tudo, sem atrasos, sem choraminguices, finalmente esse alguém é recompensado, porque existe um chefe ou um gerente ou um superior qualquer que viu o esforço e não a cunha, porque pessoas inteligentes e que têm empresas nas suas mãos querem pessoas trabalhadoras e não divas cheias de vícios e esquemas …

Adeus redes sociais

Acabei de escrever e são duas da manhã, sei que provavelmente ninguém lê mas sabe-me bem escrever e ter tudo aqui concentrado neste lugar bem decorado e confortável que é o meu blog, se alguém ler fico feliz, se ninguém ler também, amanhã releio e vejo erros mas fico feliz, não corrijo, não faço remendas, porque a minha vida é assim, os erros são meus, pode ler o texto quem quiser e achar-se no direito de corrigir a ortografia e até a moralidade, mas eu não vou corrigir e não vou alterar uma virgula, porque ao contrário do que dita a sociedade, nós não nascemos para sermos perfeitos mas também não nascemos para ser uma merda, nascemos para sermos bons seres humanos, reais.

Os filhos “experimentais”

Percebo que eu e o Bruno atraímo-nos um ao outro passados 5 anos, porque ambos temos um histórico, um mais severo do que o outro, de famílias desestruturadas, abusivas e tóxicas. Muitos de nós acredita que é normal quando um pai nos bate brutalmente com 20 anos, como se fosse normal que um surto de raiva se dirigisse para as pessoas que amamos, raiva, é isso que se deve sentir de um filho? Uma vontade incontrolável de agredi-lo, apertar-lhe o pescoço e gritar as coisas mais ridículas que estão escondidas no lado mais escuro, é isso que se sente por um filho? O mais triste de tudo isto é que depois do erro cometido, depois de descarregar o que de mais negro existe nas suas cabeças, algumas pessoas pedem desculpa vezes sem conta, mas não explicam aos filhos que pais que amam não agem assim, não lhes convém dar a conhecer o que é que de facto significa ser um pai, porque não o são, por isso vomitam o pedido de desculpas e seguem vidas …

Uma lufada de ar fresco

Hoje veio a medicação, aliás, a suplementação, e sinto-me esquisita mas bem mais calma, bem menos nervosa, bem menos ansiosa, só de pensar que provavelmente terei uma boa noite de sono vem uma lufada de ar fresco, um alívio, é como se de repente o ar que eu respiro fosse melhor, mais fresco, é como se a minha garrafa de oxigénio não tivesse funcionado durante todo este tempo. Hoje vou voltar aos treinos, ao trabalho, dói-me um pouco a cabeça mas nada que se compare aos outros dias em que sentia que tinha a cabeça dentro de uma caixa a comprimir-me cada vez mais. Obviamente que o Bruno vai beneficiar com isto porque isto foi uma bola de neve, influenciámos um ao outro, cada um com os seus problemas e ás vezes posso tornar-me demasiado exigente. Aliás, tudo vai beneficiar com isto, a minha vida e até os pets, sinto-me tranquila como não me sentia á bastante tempo!

Os donos dos narizes dos outros

Tenho uma regra que evita fazer com que eu caia no ridículo, só falo sobre o que sei, e assim, poucas vezes existe margem para erro, mesmo assim, mesmo com esse cuidado e com essa educação perante o outro, posso falhar, o que se dirá então de alguém que fala sobre as coisas sem propriedade. Á uns dias publiquei no facebook uma opinião sobre a forma como a saúde influenciava as nossas rotinas, o foco foi o exercício físico, e heis que uma pessoa que me tinha conhecido á dois anos atrás e cuja convivência foi um ou dois jantares entre amigos comenta com o Bruno: “mas ela só agora começou a treinar.” Não, não existiu qualquer hesitação, qualquer reflexão antes de alguém proferir uma das frases mais descabidas sobre mim, e por isso a resposta, está até aos dias de hoje entalada, só não respondi imediatamente por respeito ao Bruno, e porque não queria que ele ficasse com mau ambiente numa amizade que eu sei que tem-lhe custado muitas desilusões. Para terem uma pequena …

Gosto do país, não gosto de tudo o resto

E é com o coração em pedaços porque cresci aqui, e é com o coração em pedaços porque vou ter que transferir os meus sonhos para outro país, para outro lugar, porque os sonhos cresceram tanto que não cabem num país que não sabe nem permite sonhar. Saí de Angola com o cheiro, a cultura, os costumes enraizados em mim, o sorriso fácil das pessoas, o valor que dão ás mais pequenas coisas, quem é angolano ou conhece a cultura sabe que é assim, sabe que as pessoas doam-se e partilham, que vivem mais o momento e queixam-se menos, o mesmo acontece com o povo brasileiro, tive família no Brasil e digo tive, porque com a emigração e com os anos de luta perdemos todos contacto uns com os outros, e eu era demasiado pequena para lembrar-me agora. E antes que me julguem por não me sentir portuguesa, imaginem, calcem os meus sapatos, imaginem-se na pele de quem não se sente mas tentou por quase 30 anos sentir-se um pouco que fosse portuguesa, e todas …

Para mau entendedor nem meia palavra, nem mil

Tenho um coração bom que quando gosta muito das pessoas decide dar-lhes uma segunda oportunidade, mas desta vez a minha perspicácia falhou redondamente, tanto que agora aqui estou eu outra vez com a necessidade de escrever sobre isso antes que as palavras se atropelem umas ás outras e vá dizê-las á pessoa a quem são dirigidas. Estou farta de amizades de fachada, mas francamente, cada vez menos entendo as pessoas que reclamam sentir-se sozinhas e no entanto fazem de tudo para que isso aconteça. Eu sou um ser humano á parte que gosta de estar sozinho, a sério, acho que nunca conheci ninguém que gostasse tanto de estar sozinha como eu, acho que a única pessoa que me deixa sempre saudades é o Bruno, o Bruno quando está fora a trabalhar e a vontade que tenho de o abraçar ou mostrar a tal piada que ele perdeu. Parece que isso é amar e agora estou a perceber o sentido disso. Mas o facto é que se precisasse de mais alguém na minha vida neste momento, …