Month: Outubro 2021

Eu devia ter percebido

Eu devia ter percebido, e sei que o titulo pode vos parecer muito em tom de autocrítica, mas não é, na altura talvez tenha reparado mas ignorado depois por um motivo muito simples, eu amo o Bruno e faço tudo para o fazer feliz, mas a questão aqui é que quando não estamos felizes não é possível fazermos a pessoa que amamos felizes também. Um dia, era dia de passagem de ano e para variar, nessa altura, eu andava sempre a contar os tostões, sempre tive ambição, sempre esteve em mim planear a minha vida e organizar-me ao máximo para alcançar os meus sonhos, umas vezes isso foi mais fácil outras mais difícil, estou a falar de uma altura particularmente difícil. Mas, nesse dia eu consegui comprar um vestido, era um vestido lindo, certo é que tinha deixado o meu orçamento mais apertado, mas eu parecia outra pessoa dentro desse vestido, sem costas preto e com alguns brilhantes ao longo dele, eu não conseguia pagar o ginásio e não conseguia treinar a algum tempo mas …

Um julgamento dos homens e da igreja

Têm Netflix? Se sim por favor vejam, e vejam com bastante atenção o caso da Amanda Knox, o título da série é mesmo este, o nome da adolescente que se viu julgada por uma sociedade ainda tão manipulada pela igreja e pelo machismo, uma sociedade que não aceita pessoas diferentes e que ainda se acha no direito de as julgar por um crime só por isso, por serem diferentes. Tive que ver o documentário duas vezes porque se a primeira vez que o vi fui “botando” o olho sem prestar total atenção, á segunda pude comprovar que afinal o que tinha visto não era mesmo uma história de ficção, era bem real e podia ter acontecido comigo que tanto identifiquei-me com a Amanda. Nunca pensamos que o facto de sermos diferentes, almas livres, felizes nos possa render mais do que alguns olhares de desdém e algumas críticas típicas de quem não tem nada para fazer, nunca chegámos ao ponto de pensar que sermos livres, termos raciocínio próprio e sermos mulheres pode levar-nos a ser injustamente …

Nem para plantar batatas, quanto mais filhos!

Lá estou eu aqui para “rasgar”, realmente eu devo ser muito má como alguns dizem, tem que se ser muito má pessoa para se ficar muito chateado com as injustiças que acontecem ás pessoas de quem gostamos, há a infeliz ideia de que as pessoas boazinhas não se chateiam, aceitam tudo, isso é só ser cínico, mais nada. Há pessoas que eu nem para plantar batatas mandava pois até a fazer isso podiam-se enterrar na m*rda, quanto mais para se porem com ideias de ter filhos só porque “toda a gente tem”, porra fico mesmo chateada com isto, é preciso ter responsabilidade e condições para ter filhos, porque se não vais a um dentista é desleixo, ninguém tem nada a ver com isso, se não trabalhas e és um vagabundozito tudo bem, ninguém tem nada a ver com isso, se andas em más companhias e tens uma família problemática a responsabilidade é tua de saíres da situação, mas agora, se colocas uma criança no meio da tua vida e não tens QI suficiente nem para …

Nem todos começamos do zero

Nem todos começamos do zero e é aí que reside a grande diferença entre nós, não tem de ser, mas a maioria das vezes é. Eu estou a viver com o Bruno á 4 anos praticamente, e posso-vos dizer que eu não comecei a minha vida do zero quando comecei a viver sozinha, não, a minha vida começou quando comecei a viver com o Bruno e começamos a construir o nosso lar aos poucos e com muita paciência. Mas antes disso imaginem o que é ter apenas dinheiro para pagar as contas? Eu sei bem o que é ser solteira num país que não aceita que as pessoas possam ser felizes assim, não é agora o meu caso, mas fui muito feliz enquanto estive sozinha, não tenho a necessidade de colocar seja quem for na minha vida para poder sentir-me completa. O Bruno foi a agradável surpresa, não estava á espera mas não há um único dia em que não agradeça por ele ter aparecido na minha vida. Quando começámos a viver juntos tínhamos pouca …

E quando não podemos revidar

Pergunto-me quem é que o disse, quem é que ditou a regra, quem ditou o politicamente correto de que sempre que alguém nos ataca o certo deva ser ficar calado, ser um tanto hipócrita e sorrir? Há alturas em que francamente não me quero chatear e faço-o, mas o facto de me “proibirem” de retaliar sempre que o quiser fazer porque esse é um direito meu dá-me mais vontade de o fazer, da mesma forma como sou feminista porque os meus direitos como mulher são constantemente ameaçados, revido e dou o troco porque a primeira bala veio do outro lado e não de mim. É quase como começar uma guerra e esperar que o adversário não ataque e nós nos demos completamente por vencidos só por medo de contra-atacar. Já pensaram que talvez seja isso? Que talvez essas pessoas que tanto nos julgam por agir, por fazer alguma coisa queiram que percamos uma batalha pela qual nem se quer tivemos a coragem de enveredar, só para poderem chamar-nos de cobardes no fim e sair por …

Pessoas de bem com a vida

Parti dois dedos, queimei as costas, fiz uma cicatriz que aparece com o frio no lado esquerdo da minha anca e que com os anos foi atenuando, perdi dois anos de escola primária, passei por várias tentativas de suicídio, tantas que perdi a conta até que por fim tive idade para fugir dos meus pais e começar a minha vida do zero. A escrita fazia sentir-me incrivelmente bem, um dos homens que abusou de mim apagou o blog em titulo anonimo que tive durante quase 15 anos porque um dia deixei o computador ligado e esqueci-me completamente de fazer logout, a escrita deixava-me respirar, sempre consegui descrever muito bem como me sentia e isso dava-me paz e tranquilidade porque do outro lado do ecrã haviam sempre meia dúzia de pessoas que compreendiam a minha dor e pediam-me que eu apresentasse queixa á polícia. Nunca tive coragem de o fazer.